Jan 17, 2023 | Casa comum, Cuidar do jardim

Professor. Carmelita Secular

Podar o (nosso) jardim

Partilhar:
Pin Share

Temos, certamente, muitos ramos para cortar, a fim de melhorar a nossa vida, a relação com as pessoas que nos rodeiam e, consequentemente, com Deus. Cada um fará a sua reflexão e verá quais ramos deva podar ou cortar.  Eu tenho alguns.

Cuidar de um jardim dá trabalho. Cuidar do nosso jardim interior dá ainda mais trabalho. As plantas e os arbustos têm o ciclo vegetativo ao longo dos doze meses do ano. Na Primavera florescem e crescem de forma exuberante, ficando bonitas. No Verão dão fruto e flores e colhem-se. No Outono plantam-se novas flores e árvores; é tempo de as folhas mudarem de cor, parecendo muitas vezes uma alegre palete de imensas e variadas cores, criando belíssimas imagens, dignas de uma linda tela (natural)! No Inverno, com o frio e as chuvas, parecem quase mortas ou a hibernar, e fazem-se a maior parte das podas dos arbustos e das árvores [1].

Mas, porque é que se devem podar arbustos e as árvores, e amanhar as plantas? Quais são os objetivos? Podar, significa cortar determinados ramos (ramificações) de uma planta ou árvore, contribuindo para o seu desenvolvimento e crescimento, para dar mais frutos e flores de melhor qualidade. É importante ao nível da estética (controla a forma, o volume e altura) direcionando o seu crescimento, do controlo de pragas e doenças, e permite a entrada de luz nas partes mais escondidas da planta [1;2].

Podar requer conhecimento e experiência. Uma poda inadequada pode provocar graves danos à planta, interromper o seu desenvolvimento, acabando por matá-la [2]. Também eu já passei por algumas experiências, que não correram nada bem. Errando, aprendi o que não se deve fazer. Não devemos, porém, ter medo das nossas fragilidades, antes devemos estar disponíveis e ter o coração aberto para aprender, como nos ensina S. Teresa de Jesus.

Existem vários tipos de poda (formação, produção e limpeza), em função do tipo de planta e de árvore. Em geral, na poda devem-se cortar os ramos secos, sobrepostos ou doentes, mais baixos e finos, menos produtivos, tortos e ladrões. Sim, há ramos ladrões, que retiram nutrientes e força a outros ramos com mais potencial! É preciso distinguir os galhos fundamentais dos galhos comuns. Por exemplo, no caso das roseiras, que dão belíssimas rosas, têm de ser podadas no inverno para garantir maior floração e, entre outras coisas, cortar sempre acima do terceiro gomo. Há plantas que requerem ser podadas durante a fase de crescimento, para orientar (direcionar) o seu caminho. A pode permite também limpar e criar condições para melhorar o desenvolvimento e crescimento das plantas e árvores do jardim [1;2].

Todos os anos, no final do ano, após uma breve reflexão, sobre a forma como decorreu o ano, é normal cada um faça a sua avaliação crítica e, depois, tome resoluções de vida para o ano seguinte. Para o ano é que vai ser! É este ano que vou fazer …, que vou visitar …, que vou falar com …, que vou estar mais com …, que vou prestar mais atenção à(ao) … . Sim, é aconselhável fazer e tomar resoluções para o novo ano. No entanto, sabemos bem que, passados alguns dias de janeiro, a onda do dia-a-dia nos começa a engolir novamente, vorazmente, sem disso nos darmos conta. E é, por isso que, naquela fase de reflexão, devemos identificar, cuidadosamente, os ramos a cortar, por ocasião da poda que todos devemos fazer em nossa vida.  E atenção: às vezes precisamos de uma determinada determinação e de tesouras fortes e até, talvez, de uma serra rija e afiada, para os cortar! Pelo cuidado do meu jardim, sei por experiência própria que nem sempre são ramos e ladrões fáceis de cortar à primeira ou segunda tentativa!

Centremo-nos no essencial, e deixemo-nos podar por Deus: Não é isso que nos recorda Jesus na alegoria da videira e dos ramos (João, 15: 1,3) «Eu sou a verdadeira videira e o meu pai é o agricultor. Ele corta todo o ramo que não dá fruto em mim e poda o que dá fruto, para que dê mais fruto. […] Eu sou a videira; vós, os ramos»?

Temos, certamente, muitos ramos para cortar, para melhorar a nossa vida, a relação com as pessoas que nos rodeiam e, consequentemente, com Deus. Cada um fará a sua reflexão e verá se tem ramos para cortar.  Eu tenho alguns para cortar.

Às vezes, parece que aspiramos a ser heróis, ao querermos fazer muitas e grandes coisas. Meu Deus, heróis!… Mas por que não seguir o conselho de Santa Teresinha do Menino Jesus e «aproveitar todas as mais pequenas coisas e fazê-las por amor», porque «o Amor prova-se com as obras» e «o amor só com amor se paga», pois «o Amor é tudo, que abarca todos os tempos e todos os lugares… numa palavra, que é Eterno!».  Na sua sabedoria desarmante, Teresinha indica-nos que «a Caridade é o caminho excelente que conduz seguramente a Deus» [3], pois, a «a caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros, em não se escandalizar com as suas fraquezas, em edificar-se com os mais pequenos atos de virtude que se lhes vir praticar; (…), que a caridade não deve ficar encerrada no fundo do coração» [4].

E, além disso, recordo-me sempre do que ensinava o mestre de Santa Teresinha, e nosso pai São João da Cruz: «no entardecer da vida seremos julgados pelo amor» [5].

Olha que o mais fácil até é… começar.

Por tudo isto e muito mais é urgente cuidar do jardim.

  1. Chambel, T. (2019, dezembro 27). Inverno: Época de podas. Revista Jardins. https://revistajardins.pt/inverno-epoca-de-podas/
  2.  Equipe editorial de Conceito.de. (2 de maio de 2015). Conceito de podar. Conceito.de. https://conceito.de./podar
  3. História de uma Alma, Manuscrito B 3rº.
  4. História de uma Alma, Manuscrito C 12rº.
Partilhar:

Artigos

Relacionados

O Divino Pintor e os outros em emendas de sentimentos

Demos início à obra artística hoje mesmo. Talvez precisemos de mais amor e generosidade. Amor no coração e generosidade na alma. Subamos ao alto da serra, às cumeadas revestidas de neve das altas montanhas. E quando descermos pintaremos mais vivamente na nossa alma, a virtude do desprendimento das coisas terrenas. O degradé de cores do Divino Pintor. Sejamos espelho e abracemos o outro que clama por nós, n´Ele.

read more