Set 6, 2022 | Colina da Moria

Carmelita Descalço

A «herança do Carmelo»

Partilhar:
Pin Share

A herança do Carmelo é a vocação à santidade. Cada um de nós é chamado à santidade, a uma santidade única e irrepetível. Viver na presença de Deus não é uma herança que o santo Elias legou aos filhos do Carmelo?

Escutai… Santa Teresa, ardente e luminosa, extremada nos seus desejos e discreta nos seus conselhos, sublime e equilibrada, alma régia, maternal e divina, o génio humano no que há de mais concreto e universal. Conhecemos também Santa Teresa do Menino Jesus, passarinho coberto de leve penugem – dirá de si mesma –, mas com os olhos e o coração de águia e das grandes almas; por isso, a sua voz, que nos parece infantil, tem efeitos poderosos quando canta a luz do Verbo e o amor do Espírito Santo. Por fim, eis o mestre, o nosso Doutor místico, São João da Cruz, que conhece todas as vibrações do amor e os reflexos da luz que a sua ciência de teólogo sabe ao mesmo tempo ordenar e explicar com harmonia, e que as expressa com a arte consumada de um artista e de um poeta em que a técnica não quebra de modo algum o sopro inspirado (…) Três santos no Carmelo, que franquearam as etapas e nos entregaram a sua alma, oferecem-se às nossas investigações. Três santos, três almas diferentes, talvez três caminhos; mas, com toda a certeza, uma mesma escola, uma só santidade.

A Santa

Santa Teresa de Jesus foi canonizada pelo Papa Gregório XV, em Roma, a 12 de Março de 1622, 40 anos depois da sua morte.

Deus nos livre, irmãs, quando fizermos alguma coisa imperfeita, de dizer: “não somos anjos”, “não somos santas”. Olhai que, embora não o sejamos, é grande bem pensar que, se nos esforçamos, o poderemos ser, dando-nos Deus a mão; e não tenhais medo que falhe por Ele, se não falharmos nós. E porque não viemos aqui a outra coisa, mãos à obra, como dizem; não vejamos coisa em que se sirva mais ao Senhor que não presumamos sair bem dela, com o Seu favor. Esta presunção quereria eu nesta casa, porque faz sempre crescer a humildade: ter uma santa ousadia, pois Deus ajuda aos fortes e não faz acepção de pessoas.

O Santo

São João da Cruz foi canonizado pelo Papa Bento XIII, em Roma, em 27 de Dezembro de 1726, cento e trinta e cinco anos após a sua morte.

A maior honra que podemos dar a Deus é servi-Lo segundo a perfeição evangélica. As almas devotas, com forças de juventude recebidas da suavidade do teu rastro, recorrem, isto é, correm por muitas partes e de muitas maneiras, que isto quer dizer recorrer, cada uma pela parte e sorte que Deus lhe dá de espírito e estado, com muitas diferenças de exercícios e obras espirituais, o caminho da vida eterna, que é a perfeição evangélica, pela qual se encontram com o Amado em união de amor depois da desnudez de espírito acerca de todas as coisas.

A maior santa dos tempos modernos

Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face foicanonizada pelo Papa Pio XI, na Basílica de S. Pedro, em Roma, a 17 de Maio de 1925, 28 anos depois da sua morte.

Ó meu Deus! Trindade Bem-aventurada! Desejo amar-Vos e fazer-Vos amar… Desejo cumprir plenamente a vossa vontade… Desejo, numa palavra, ser santa. Mas conheço a minha impotência, e peço-Vos, ó meu Deus, que sejais Vós mesmo a minha Santidade.

O ideal, o segredo, a medida

Santa Isabel da Trindade foi canonizada pelo Papa Francisco a 16 de Outubro de 2016, em Roma, 110 anos depois da sua morte.

Quando lhe perguntam, no limiar do Carmelo: Qual é em seu entender o ideal de santidade?, responde: Viver de amor. E o meio mais rápido para lá chegar? Tornar-se muito pequena, entregar-se sem retribuição. O amor… esta palavra encerra, parece-me, toda a santidade. Quero ser santa, santa para fazer a sua felicidade… Desejo ser santa contigo e para ti, mas sinto a minha incapacidade, oh! sê a minha santidade. Pedi-Lhe que eu já não viva mais, mas que Ele viva em mim, que o Uno se consuma cada vez mais, que eu permaneça sempre sob esta grande visão! Parece-me que é este o segredo da santidade, e isso é tão simples. Eis a medida de santidade dos filhos de Deus: ser santo como Deus, ser santo da mesma santidade de Deus; e isto, vivendo em contacto com Ele no fundo do abismo sem fundo, por de dentro.

Uma santa para todos

Santa Teresa Benedita da Cruz foi canonizada pelo Papa João Paulo II, em Roma, a 11 de Outubro de 1998, cento e sete anos depois da sua morte.

O abandono à vontade de Deus é, de facto, o elemento essencial da união com Deus: o abandono da nossa vontade é uma coisa que Deus nos pede a todos nós e que todos nós podemos realizar. Esta é a medida da nossa santidade.

A santidade está no amor

Santa Teresa dos Andes foi canonizada pelo Papa João Paulo II na Basílica de S. Pedro, em Roma, a 21 de Março de 1993, setenta e três anos depois da sua morte.

Jesus pede-me para ser santa. Creio que a santidade está no amor. Quero ser santa. Então entregar-me-ei ao amor, já que este purifica, serve para expiar. Aquele que ama não tem outra vontade senão a do amado; então eu quero fazer a vontade de Jesus… O amor é fiel. O amor não vacila. O amor é laço de união de duas almas. Pelo amor fundir-me-ei em Jesus. Oferecer-nos a Ele com amor para cumprir a sua adorável vontade, eis o plano de santidade que concebo. Deus é amor, que procura nas almas senão amor?

Jesus, Nossa Senhora, São José, Santa Teresa de Jesus, São João da Cruz, Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, Santa Isabel da Trindade, Santa Teresa Benedita da Cruz, Santa Teresa dos Andes… e, muitos outros, são santos de casa e fazem milagres.

Deus quer que os santos comuniquem entre si as graças por meio da oração. Ó bem-aventuradas almas celestiais! Ajudai a nossa miséria e sede nossas intercessoras ante a divina misericórdia, para que nos dê um pouco do vosso gozo e reparta connosco desse claro conhecimento que tendes.

O Senhor pede tudo e, em troca, oferece a vida verdadeira, a felicidade para a qual fomos criados. Quer-nos santos e espera que não nos resignemos com uma vida medíocre, superficial e indecisa. Quantos santos temos no céu que trouxeram este hábito! Tenhamos a santa presunção, com a ajuda de Deus, de ser como eles. Manuel Reis

Partilhar:

Artigos

Relacionados

Navegar é preciso!

Navegar é preciso; viver não é preciso; o que é necessário é criar. Navegar, onde? Aqui, onde a terra se acaba e o mar começa. De que mar falamos? Do mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim? Do mar da alma e do sentido da vida dos portugueses? O mar é um apelo que não...

read more

O desafio da paz

Santa Teresa de Jesus diz que o beijo é sinal de paz e de grande amizade entre duas pessoas. Fala da amizade com Deus e da paz com os homens. Viveu em guerra espiritual, alcançou a verdadeira paz e desperta-nos para a paz de Deus e dos homens. Está o Rei no seu...

read more