Se o amor é tomado como livre, como é que podemos tomá-lo, simultaneamente, como obediente? É esta a pergunta que guia este pequeno texto.