Carmelita Descalço, Prior do Carmo do Funchal

Pássaro solitário

Aqui se expõe a comparação que São João da Cruz faz entre a alma e uma estranha, e para sempre desconhecida, ave — O Pássaro Solitário.

O melro azul é um pássaro um pouco mais pequeno que o preto. Caracteriza-se por ser solitário com um canto assobiado muito próprio e belo. Apenas pode ser observado entre as fragas ou, então, em edifícios altos e abandonados, e sempre à distância. O macho da espécie tem uma penugem azul mortiça, sendo, por vezes, difícil definir a sua cor. Só pode ser encontrado com companhia nas épocas de reprodução, quando a sua cor se transforma num azul muito mais definível e vibrante. Acha-se um pouco por toda a Península Ibérica durante todo o ano.

Apesar desta apresentação, este texto não versa sobre ornitologia, mas sobre espiritualidade, e esta com o cunho do grande doutor místico São João da Cruz. O místico abulense sendo um enamorado de Deus era também um profundo admirador da natureza, criação d’Aquele a Quem amava profundamente. Por isso mesmo, algumas das imagens que usava para explicar a relação do orante com Deus eram tomadas da natureza.

No comentário às canções 14 e 15 do seu Cântico Espiritual o poeta santo, patrono dos poetas espanhóis, introduz a imagem do pássaro solitário para nos explicar o que narra nestas estrofes. Antes de mais admiremos a maravilhosa formosura da sua poesia:

“¡Mi amado, las montañas,
los valles solitarios nemorosos,
las ínsulas extrañas,
los ríos sonorosos,
el silbo de los aires amorosos;
la noche sosegada,
en par de los levantes de la aurora,
la música callada,
la soledad sonora,
la cena que recrea y enamora;”

Quanto à forma, o poema é uma lira clássica: estrofes de cinco versos com 7, 11, 7, 7, 11 sílabas métricas. Este tipo de poema é próprio da tradição erudita da língua castelhana; e é usado, com frequência, para falar das experiências de amor. Este último pedaço de informação não nos acrescenta muito em relação ao sentido espiritual do poema, mas diz-nos que São João da Cruz detém um exímio domínio da sua língua materna, o que faz dele um poeta dos grandes, senão o maior, da língua castelhana.

O Cântico Espiritual é um poema que nos narra o processo espiritual de busca e encontro com Deus, que conduz à união de amor com Ele. Ali, a alma que se descobre ferida de amor sai à procura d’Aquele que assim a feriu. Na canção 11 começa a narração deste encontro entre a amada e o Amado, entre o orante, ou a sua alma, e Deus:

“Descubre tu presencia,
y máteme tu vista y hermosura;
mira que la dolência
de amor que no se cura
sino con la presencia y la figura”.

Depois deste primeiro encontro, o poeta dá início à descrição do desposório espiritual. As estrofes 14 e 15, por sua vez, falam-nos do momento anterior à união de amor: “el silvo de los aires amorosos” que conduz à “noche sosegada”. Esta noite, porém, já não é a noite da purificação do espírito ou dos sentidos, é antes um momento inefável e fronteiriço entre a noite e o dia que chega com a aurora. Ao surgirem as primeiras luzes do dia surge também a tal ave misteriosa: um pássaro que levanta um voo de “música callada”, de “soledad sonora”. Nestas duas expressões o santo poeta recorre ao oxímoro para nos descrever a estranheza desse estado inefável, que é e não é ao mesmo tempo. De facto, o orante ainda não possui a comunhão total com o seu Amado, mas, como é óbvio, tem já parte n’Ele.

Segundo a aclaração do místico, estas duas estrofes referem-se ao pássaro solitário, imagem que ele toma do salmo 102 (101), versículo 8; e descreve-o com cinco características muito particulares: 1) procura os pontos mais altos; 2) tem sempre o bico orientado de acordo com a origem do vento; 3) é solitário; 4) tem um canto muito suave; e 5) não tem uma cor determinada (cfr. Cântico Espiritual, comentário das canções 14 e 15, n. 24). Tal como o salmista, São João da Cruz não identifica este pássaro. No entanto, pelas características que nos dá pode dizer-se que se trata de um pássaro muito semelhante ao melro azul. E se se consultar tratados de ornitologia da Idade Média também podemos descobrir que, entre os mais variados nomes que se dão ao melro azul, lhe é dado o de pássaro solitário.

Nunca poderemos saber com certeza se João da Cruz tem em mente o melro azul quando usa esta imagem para nos falar da vida espiritual. Na verdade, ao longo dos séculos foram apontadas várias hipóteses para identificar esta ave saojoanista; de entre elas destaco uma outra: a fénix. Esta é uma ave lendária, com plumagem de fogo que se consome a si própria para renascer das suas próprias cinzas. Em vários tratados de espiritualidade ela é identificada com Cristo que, na cruz, renasce dos restos do corpo humano morto, em favor da sua entrega por todos os homens e mulheres. Outras vezes é identificada com a alma do orante, que no seu caminho de conversão permanente vai renascendo para a vida em Cristo, até à identificação total com Ele. Podemos ainda dizer que a tradição de identificar a alma com uma ave é já bastante antiga, pois se encontram registos de tal identificação já no antigo Egipto e em várias culturas desde então. É, pois, um tema recorrente dos místicos, apesar da religião que professem.

Seja qual for a imagem que São João da Cruz tivesse em mente à hora de explicar as estrofes 14 e 15 do Cântico Espiritual, podemos assumi-lo como um enamorado de Deus e, por isso, todas as imagens, seja qual for a sua procedência, são usadas para nos falar do caminho que o orante faz para Ele, até à plena união de amor. Como me parece que fica evidenciado, é próprio dos místicos criar uma linguagem nova para falar das experiências inefáveis de Deus, com o objetivo de fazer entrar os seus ouvintes ou leitores “más adentro en la espesura” do Mistério Absoluto, que para João é o Deus Pai de Jesus Cristo.

O pássaro solitário sanjoanista é, pois, um meio para descrever o estado em que se encontra a alma entrada na contemplação do Amado, que é: “uma infusão secreta, pacífica e amorosa de Deus que, se lho permitirem, inflama a alma em espírito de amor” (1 N 10,6). Ao chegar ao estado do desposório espiritual (1) a alma do orante, tal como o pássaro solitário, procura a solidão (3) para encontrar-se com o seu Amado, respondendo com louvores e amor (4), através da ação Espírito Santo (2), não se apegando a nada mais do que a Deus (5).

Aqui se expõe a comparação que São João da Cruz faz entre a alma e uma estranha, e para sempre desconhecida, ave — O Pássaro Solitário. O melro azul é um pássaro um pouco mais pequeno que o preto. Caracteriza-se por ser solitário com um canto assobiado muito próprio e belo. Apenas pode ser observado […]

Artigos

Relacionados

Uma porta para o interior!

Peço licença para entrar neste Claustro tão especial para partilhar convosco algumas das preciosas Parábolas do Carmelo. Elas foram geradas no Claustro, na Capela ou noutro espaço singular dos conventos dos nossos mestres carmelitas mais do passado ou mais do...

read more